terça-feira, 14 de abril de 2009


Como ando sem vontade de escrever deixo-vos aqui uma passagem do livro "O Principezinho" de Antoine de Saint-Exupéry


Enjoy



XXI
Então a raposa apareceu.
-"Bom dia."-disse a raposa.
-"Bom dia."- respondeu educadamente o Pequeno Príncipe.
-"Quem és tu? És tão bonita de se olhar."
-"Eu sou uma raposa.", disse a raposa.
-"Vem brincar comigo.", propôs o Pequeno Príncipe.
-"Eu estou tão triste."
-"Não posso brincar contigo.", disse a raposa.
- "Eu não estou cativada."
- "O que significada isso – cativar?"
-"É uma coisa que as pessoas frequentemente negligenciam.", disse a raposa.
-"Significa criar laços."
-"Sim.", disse a raposa.
-"Para mim és apenas um menininho e eu não tenho necessidade de ti. E tu por sua vez, não tens nenhuma necessidade de mim. Para ti eu não sou nada mais do que uma raposa, mas se tu me cativares então nós precisaremos um do outro". A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse:
-"Por favor cativa-me."
-"O que eu devo fazer para te cativar?" perguntou o Pequeno Príncipe.
-"Deves ser muito paciente.", disse a raposa.
-"Primeiro vais sentar-te a uma pequena distância de mim e não vais dizer nada. Palavras são uma fonte de desentendimento. Mas sentar-te-ás um pouco mais perto de mim todos os dias."
No dia seguinte o Príncipezinho voltou.
-"Teria sido melhor voltares à mesma hora." disse a raposa.
-" Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais me sentirei feliz. Ás quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens por exemplo a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração...É preciso criar rituais."
Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa.
Quando chegou a hora da partida dele:
-"Oh!" disse a raposa. -"Eu vou chorar".
-"A culpa é tua", disse o Pequeno Príncipe.
- "Tu mesma quiseste que eu te cativasse...".
-"Adeus.", disse o Pequeno Príncipe.
- "Adeus.", disse a raposa.
-"Agora vou contar-te um segredo: Nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas tu não deve esquecê-la. Tu tornas-te eternamente responsável por tudo aquilo que cativas."

11 comentários:

Raio de Luar disse...

Ok... isto é mto texto, não me apetece ler, mas ta fixe! lol eheh
jokas

Pedro Barata disse...

Já conhecia e adoro especialmente a última frase!!!
Beijinhos

Ventania disse...

Sempre actual, le petit prince.

XS disse...

Subscrevo inteiramente, verdade indiscutível...

Saltos Altos Vermelhos disse...

fantástico!

Mr.Jones disse...

Parece até um sinal...na pesquisa coloco palavras que nao tem nada haver com "o pequeno principe" e acabo caindo em postagens sobre ele. Só pq "ela" gosta tanto dessa história. Fenomenos do amor...como explicar?
abraços

The Woman disse...

Este sim é um dos muitos livros que me marcaram para toda a vida. Amo ter sido o primeiro livro que li, por ser ainda dos bons livros de grande simplicidade acompanhada de igual beleza.

Beijão Cat ;)

Intrometido disse...

Sem vontade de escrever, ou de puxar pelos neurónios???? sim porque escrever aquele texto todo pode significar muita coisa, menos falta de vontade para a escrita.
Apesar de tudo ... texto bem escolhido ... penso eu de que.
(ou será que fez copy/paste?)

miúdo disse...

"Tu tornas-te eternamente responsável por tudo aquilo que cativas"

Não fazes idéia o quanto detesto esta frase...

Beijo...

★ Aralis ★ disse...

Sepre adorei este livro, tão aparentemente singelo mas com uma profundidade inerente indiscutível!

A última frase faz lembrar o agora tão aclamado "segredo"...

jokita

p.S.gostei vou voltar!

Minhoca disse...

Bem estas sem vontade de pensar no q escrever ja q escrever foi uma fartura eheheheh

Jokinhas